Tag: farol;trevo;sorte;cdh

A passagem do farol – Arteterapia

Dia de arteterapia com certeza é um dia de alegria para os idosos que frequentam o Ateliê Essência de Lis. Já na chegada, o calor dos abraços e dos sorrisos generosos é contagiante, e os mimos fazem parte desses encontros. Alguns trazem biscoitos para o lanche, outros trazem presentes ou pequenas surpresas, como uma vez que um idoso levou vasinhos com sementes já germinadas de trevos de quatro folhas, afirmando que traria sorte ao grupo. Perceber a dominância do afeto nesses momentos entre os participantes é sinal de que estamos no caminho certo.

Ao chegarem ao Ateliê para as sessões, todos acomodam seus pertences e se sentam confortavelmente em torno da mesa. A primeira atividade é a Rodada do Farol, quando todos têm a oportunidade de contar como se sentem e comentar os principais acontecimentos desde o último encontro.  Quem recebe o Farol se apresenta e faz um breve relato de como está seu mundo interno e externo.

Acolher, no dicionário, é oferecer proteção ou conforto físico, abrigar, receber, dar refúgio. Percebe-se que a passagem do Farol de mão em mão promove um continente suficiente de energia para envolver o participante em uma atmosfera de segurança, ajudando-o a desenvolver sua própria capacidade de continência.  Acolher a dor emocional envolvida em uma queixa, por exemplo, permite o grupo que escuta dar um novo significado a ela, desintoxicando seu portador da angústia solitária e investindo nele um sentimento de confiança.

Cada participante tem seu momento de se perceber por um instante e de sentir o poder da empatia. É uma forma de praticar a escuta atenta ao outro e, ao mesmo tempo, expressar um tanto do seu próprio mundo interior. Todos contam suas vivências e todas são ouvidas atentamente pelos demais. Com isso, várias habilidades cognitivas são naturalmente estimuladas. Parece muito simples, mas trata-se de um exercício de auto- percepção e expressão muito complexo.

No projeto Cuidar de Si, o momento do acolhimento  é um ritual que abre caminhos e expressões, iluminando verdadeiramente o encontro como um farol, permitindo que sentimentos e/ou sofrimentos possam ser expressos, possibilitando a pessoa criar uma nova luz sobre seu momento de vida, utilizando seus recursos e limites.

Arteterapia com Idosos: uma prática do projeto Cuidar de Si, da clinica CDH – Centro de Desenvolvimento Humano, com a coordenação da Psicóloga e Arteterapeuta – Ione Lima Ayres